segunda-feira, 2 de maio de 2016

EQUIPAMENTOS, ALUGUEL PARA SHOWS E GRAVAÇÕES

AMPLIFICADORES:
Fender Vibro King Custom modelo CSR4 de 1996
Usado por nomes como Keith Richards, Ron Wood, Gary Clark Jr, Eric Clapton, Pete Towsent, entre outros. É considerado pelo site da fender como o seu Best of The best(melhor do melhor), é também o amplificador a mais tempo em série da fender. Tem um som cremoso clássico clássico fender,  60w, tremolo e uma unidade Reverb 63 dentro que proporciona inúmeros tipos de reverb. Todo original, nunca estragou em quase 20 anos. ALUGUEL:R$300,00 POR 24h.

Fender Deluxe Reverb Amp 65 Reissue
Clássico nas gravações de guitarras desde 60, é um dos mais usados nos EUA e UK desde os anos 60.
Usado por The smiths, Beatles, está presente nas gravações mais clássicas do rock, blues e country. Tem 22w, tremolo , reverb e canal com mais médios.
ALUGUEL:R$200,00 POR 24h


Fender Bassman Head 1967
Outro clássico em estúdio e palco do mundo inteiro, com 50w possui um dos volumes mais altos em cabeçotes, com um som clássico cristalino fender. ÓTIMO para gravações de BAIXO também!
ALUGUEL:R$200,00 POR 24h e R$400,00 com caixa com 2 falantes, um Jensen C12K italiano e outro Celestion CreamBack inglês.

Caixa JCS Custom 2X12
Possui as mesmas medidas de uma caixa bassmann 1967 fechada , mas com opção de poder abrir a traseira. Combina os timbres dos auto falantes mais clássicos fender ( Jensen C12k made in Italy) e marshall dos anos 60 com um Celestion Cream Back 12H75 made in UK, Ambos auto falantes tem saidas independentes tendo cada 8ohms, mas pode ser usada em 4ohms e 16ohms combinados. ALUGUEL R$200 por 24h.


Delay de fita Roland Space Echo RE-101
Delay de fita made in Japan com 3 combinações de delay (mode selector 1, 2, 3 )e  3 tipos de reverb de fita(mode selector 4,5,6). Excelente som, funciona também melhor que qualquer simulador de fita, pois tem 1/8 de polegada de fita num só canal. Ótimo para gravaçoes e mixagens.
ALUGUEL; R$300 por 24h .
Roland Space Echo 101



segunda-feira, 30 de março de 2015

ESTÚDIO BAFO DE ROCK! rehearsal studio*



-AMPLIFICADORES DE GUITARRA CUSTOM OU REISSUE.
-INSTRUMENTOS E EFEITOS RAROS PARA ALUGUEL.
-WIFI.
-LOJA DE EQUIPAMENTOS.
-CERVEJAS E LANCHES DIVERSOS
-AR CONDICIONADO.
-ÁREA DE FUMANTES.

R$30,00 por hora
AGENDE AGORA
(51)82342302 ou inbox com Alexandre Móica(facebook).
LOCAL: Av. Dr. Severo da Silva, 1605 - Canoas/RS 
R$30,00 por hora.


Fender F 100B - Baixo/bass
EQUIPAMENTO:
Fender Vibro King ® (amplificador, guitarra)
Fender '65 DELUXE REVERB® (amplificador, guitarra)
Fender F 100B (amplificador, baixo)
Bareria Gretsch Energy (bumbo 22', tom 12', surdo 16').
Pré Phonic valvulado de 2 canais com equalizador.
Microfones Shure sm57, Superlux
Caixa Ativa JBL 1203 A - 400W
Caixa Ativa JBL JS 101 A - 100W
Fender Champion 600(amplificador, guitarra)
ZT lunch box (amplificador, guitarra)
Fender Vibro King ano 1996

Fender 65 Deluxe Reissue

Caixa de voz JBL400W



EXTRAS - equipamentos para aluguel.
Guitarra Fender Stratocaster Japan 57' reissue (1998) captadores USA 50´s fat strat R$15,00(por ensaio)
Baixo Schelter Precision R$15,00 (por ensaio)
Pratos hihat 14" e ride 20" Orion R$10,00(por ensaio)
Delay de Fita Space Echo 101 R$15,00(por ensaio)
Delay de Fita Space Echo 150 R$15,00(por ensaio)
Pedal Fuzz Face Dallas Arbiter R$5,00(por ensaio)
Pedal BOSS Blues Driver R$5,00(por ensaio)
Pedal Maxon D & S II (OD-808) R$10,00(por ensaio)
ROLAND SPACE ECHO RE-101 vintage anos 70, possui 3 tipos de delay de fita e 3 tipos de "reverb de fita" diferentemente do "reverb de mola" do tradicional RE-201. 
Pedal vintage anos 80!


fender champiom 600

ZT Lunchbox 140w é o menor amplificador mais potente do mundo!
R$30,00 por hora
AGENDE AGORA
(51)82342302 ou inbox com Alexandre Móica(facebook).
LOCAL: Av. Dr. Severo da Silva, 1605 - Canoas/RS 

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Contos do Rock Gaúcho - Capítulo "J" - Episódio 1 - Indo para clínica com Júpiter.

Contos do Rock Gaúcho - Capítulo "J" .
Júpiter Maçã é um que sem dúvida precisa de um capítulo inteiro nos Contos do Rock Gaúcho, uma figura enigmática e indecifrável, ele é inteligente, maluco, talentoso, e você nunca sabe quando e se ele está falando sério ou tirando uma baita onda. É uma linha tênue entre a loucura e a genialidade. Parece londrino, mas é bossa nova ou usaria sunga de crochê, como na capa do disco Araçá Azul, é isso? (Disse isso numa entrevista), também é Júpiter Apple, Apfel, Manzana e talvez até mangá. Em suas próprias palavras.
Sóbrio ou totalmente de ébrio ele é único, com sua voz quase britânica(voltou assim de Londres) que parece gay, mas tira onda disso. Ele é o roqueiro mais 24 horas por dia que já vi e não há Osvaldo Rock Vecchione que chegue perto.

 Capitulo "J" - Episódio 1 -  Indo para clínica com Júpiter.

    Desde que conheço Júpiter Maça, quando ainda era Flávio Basso, ele sempre foi mais HI do que LOW. Não sei se posso dizer que ele tem problemas com bebida e com a falta dela, pois sempre bebeu horrores para o padrão de muitos. Já nas gravações de seu disco "A 7ª  Efervescência", por exemplo, era 1 garrafa de cachaça por dia, isso num dia sóbrio, então ele sempre teve várias pessoas e amigos a sua volta preocupadas com relação a isso. Mas vai saber se ele seria o Júpiter que conhecemos sem a Brasileira cachaça, tenho minhas dúvidas.
Ele mesmo sob forte efeito do álcool é um cara inteligente e escorregadio, difícil de pegar, sempre esperto e gozador mas ao mesmo tempo cool e sério. Alguém tão louco como Rogério Skylab, parece sem graça e burro perto dele e mesmo Júpiter estando completamente alcoolizado e só com um bongô como instrumento.
Na época dessa estória, Júpiter já preocupava até o mais louco dos seus amigos roqueiros, sempre tinha alguém querendo levá-lo pra clínica ou com essa preocupação. Era um dia de sol e outono em Porto Alegre. Uma amigo de longa data, aqui denominado por C. Mister, uma figura super magra de causar inveja a qualquer Mick Jaegger e sempre usava roupas super justas. Seria facilmente reconhecido como uma figura do rock e talvez até confundido com um dependente, justamente pelo fato da figura do rock e magreza estarem associados diretamente a algum vício. Embora isso realmente não represente a verdade, a sociedade e a gigantesca maioria associa esses fatores.
Então esse amigo encontra Júpiter num café, perto ou no Bairro Bonfim em Porto Alegre e começa a tentar convencer Júpiter. - "Cara seria legal tu te tratar, o lance da bebida, conheço uma clínica bem legal aqui perto, dizem que é ótima, vamos lá. Eu vou com você, te dar apoio." E Júpiter, só sorria
e balançava a cabeça parecendo concordar, pois ele é escorregadio e nunca diz um não batendo de frente com as pessoas.
E a conversa foi indo,  C. Mister explicando seus sentimentos de amigo e preocupação aonde terminou a conversa num abraço irmão. Ambos terminaram os cafés e cigarros e se levantaram , saíram abraçados. C. Mister diz: - " Vamos lá man, é por aqui". Crente da tarefa bem sucedida.
Júpiter estava vestido com um terno e calças pretas, óculos Rayban Wayfayer esverdeado, gola rolê e sapatos, bem inglês, bem sóbrio no visual mesmo. Parecendo até um intelectual.
Ambos chegam abraçados, e logo na entrada tem dois funcionários da clínica que já tinham sido avisados por C. Mister por telefone, que iria trazer um amigo para se tratar. Então eis que Júpiter toma a dianteira e fala primeiro com um dos funcionários dizendo. "Olá pessoal, viemos aqui pois temos um problema." Júpiter com o braço esquerdo em volta do ombro de C. Mister e a mão direita na altura da cintura apontando discretamente para C. Mister, de tal forma que dava a entender que seria C. Mister que estava com problemas. Fazendo ares de intelectual compreensivo, sorridente.
No entanto, C. Mister à medida que ia se dando conta ia ficando mais e mais inquieto, dizendo: "Não, não, não, é ele, é ele, fui eu quem veio trazer ele!" E Júpíter continuava abraçado, e levantava os ombros balançando com a cabeça sugerindo um "não" calmamente. O pessoal da clínica deve ter olhado e pensado e questionado, é o Rolling Stone ou o intelectual elegante? E logo foram pra cima de C. Mister abraçando-o e dizendo coisas como: -"Tudo bem tudo bem cara ,  mas então vamos conversar, vem aqui dentro, não tenha medo". E C. Mister cada vez mais apavorado com a situação fica mais e mais eufórico e negando. - "Não , não é , eu to dizendo!" O que convence ainda mais o pessoal de que é ele o cara está com problemas e não o Júpiter Maçã. Júpiter segue no teatro usando um expressão calma, branda e sorridente, e vai saindo de mansinho dando um tchau, finalmente acenando com a mão já na calçada. Seguindo em direção ao Parque Farroupilha que é no fim da rua, acende um cigarro e escapa caminhando lentamente com um sorriso tranquilo no rosto de missão cumprida, convencendo e enganando a todos mais uma vez. E quem vê, acredita mesmo.

domingo, 1 de setembro de 2013

Regulagem de bias, faça você mesmo.

Regulagens de bias? Mistério resolvido! Essa medida é necessária ou não pelo fato de que válvulas serem dispositivos inconstantes, você pode regular o bias hoje e dois dias depois essa regulagem é ter que ser refeita em função de vários fatores(ar residual, má qualidade, defeitos, desgaste,...). Então pode-se regular a voltagem que vai para as válvulas e tentar equilibrar as desigualdades entre elas.
E porque pode não regular? Somente as válvulas de potência possuem regulagens de bias de fábrica e antigamente(até os anos 70 + ou -) os amps nem possuiam tais regulagens e no entanto estão dentre os melhores amplificadores valvulados. O meu melhor amp é um fender bassmann de 1968 que não tem regulagem de bias! E soa limpo e mais alto que um de 100w moderno(Marshall JCM800 ou JCM 900).
O objetivo sonoro de uma boa regulagem de bias é ter o som mais limpo e nítido possível com o maior volume possível.
AVISO IMPORTANTE: Amplificadores possuem voltagens letais e podem causar eletrocussões mesmo desligados! Essas regulagens são só para quem aceitar esse risco.



Geralmente quando seu amp valvulado começa a perder potência, o normal é levar num técnico, ele mede as válvulas novas, usando um critério de "porcentagem" aonde as de maior porcentagem são as mais "inteiras" digamos, para só então fazer a tal regulagem de bias e isso tudo com custos de serviço.
Só que na prática, e assim como sugere a própria fender em um de seus mais top amps(Vibro King), nada é mais preciso do que o som para regular, pois fatores com o ar residual e qualidade válvulas, podem tornar essas medições inúteis após alguns dias. Mas cuidado! Se você colocar além do ponto, pode diminuir drasticamente a vida útil das válvulas. E antes, o som fica magro e pobre. Mas também não vai necessáriamente explodir seu amp.


Tenho amigos que pediram para o técnico instalar um potenciômetro externo para regular o bias sem precisar desmontar o amp, pois a maioria só possui um interno. Isso economiza uns R$200 por troca de vávulas e permite ajustar até show a show, pois isso depende do desgaste das vávulas o que é uma constante. Embora eu tenha um fender bassmann 1968 com válvulas "casadas""(matched), válvulas vendidas com "porcentagens" aproximadas há mais de 2 anos e o som é perfeito e ele não tem regulagem de BIAS.
Veja também como a própria fender sugere regular o BIAS, lendo o manual de serviço do Fender Vibro King com o uso de medição ou somente pelo som, na página 4 do manual de serviço desse amp considerado "O melhor do melhor" por eles. Link abaixo.
http://www.webphix.com/schematic%20heaven/www.schematicheaven.com/fenderamps/vibro_king_manual.pdf

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Contos do Rock Gaúcho. Episódio 1 - Cheirando a Cueca do Motora e mostrando o Pitchulito.

Contos do rock gaúcho - Prefácio.
O mundo do rock na sua falta de rotina, fama, contato com fãs deslumbradas e viagens a territórios desconhecidos pode desencadiar transformações bizarras de personalidades até nos mais certinhos, transforma bons garotos em verdadeiros gigolôs e meninas comportadas em bruxas do mal. Traz a tona todo o tipo de desvio de personalidade enrustido, uma simples falha na educação nesse universo pemissivo pode tranformar pessoas das maneiras mais hilária e bizarras. Sindromes do trauma de pau pequeno, delírios sexuais, bipolaridades, hipersexualidade e insônia, são apenas alguns males, consequencias e sintomas que muitas vezes ouvi ou pude presenciar nesses 20 anos de rock da tour interminável que tem sido a minha vida.


  Episódio 1 - Cheirando a Cueca do Motora e mostrando o Pitchulito.
A banda estava em ascenção na mídea, começou a fazer turnes ininterruptas todos os fim-de-semanas e ordas de fãs deslumbradas indicava sexo louco a vista na mente daquele suposto baterista e personagem principal da estória a seguir. Todo o lugar era lugar e toda a oportunidade de fazer ou até presenciar cenas de sexo pareciam ter um sabor especial. A cidade era Xanxerê, interior de SC, terras distantes e desconhecidas aonde um simples "Tu" ou "Bah" de um Gaúcho seria capaz de molhar uma calcinha, o sentimento era de se estar com todas as cartas no jogo do sexo casual enlouquecido.  Poderia sobrar pra qualquer um que estaria na volta. Contaminado nesse clima, um jovem e garotão motorista estava incluindo dentre um dos dois motoristas do ônibus de porta no meio que levaria a banda, aqueles ônibus em que a porta fica mais embaixo e o nível dos passageiros fica mais em cima. O usual era um motorista ficar descançando da viagem e outro iria com a banda no local do show para cuidar o ônibus. O escolhido para ir com a banda foi o jovem motorista garotão, que já comentava faceiro que o ônibus atrairia a atenção de fãs, fãs enlouquecidas querendo entrar no ônibus ou passando e olhando pra dentro pra ver como é, conhecer alguém da banda, equipe ou o motorista(no pensamento dele). Então prontamente ele se postou do lado de fora no intuito claro de tirar proveito da situação. O pessoal da banda foi fazer o show e ele ficou ali uniformizado, todo apostos. Mal termina o show e o pessoal da equipe guardou alguns equipamentos e na impossibilidade de carregar tudo no ônibus devido a multidão, voltaram para o ônibus para esperar o público dispersar. O primeiro da equipe a chegar no ônibus, encontra o motorista já se aguarrando e de beijos com uma garota.  Logo o motorista foi direto no cara da equipe e diz: -"Cara tu cuida aí que eu vou levar essa garota ai dentro do ônibus enquanto o pessoal da banda não chega?! Ok?" O cara da equipe achou graça na agilidade dele e concordou prontamente já pensando que iria rolar sexo e num possível voyerismo.
O primeiro da banda a chegar, o baterista, que era sempre o mais emocionado,  de imediato foi avisado que o motorista estaria em possíveis condições sexuais com uma garota dentro do ônibus, e num sorriso o baterista diz: "Certo que vou espiar e se estiver rolando algo vou lá roubar a calçinha da garota."  "Azar do morota."  Ele entra no corredor do ônibus meio que se arrastando, como um soldado se esgueirando numa trincheira, a trincheira do rock talvés. Apenas alguns segundos depois ele volta com um "calçolão" branco e diz repetidas vezes: "Peguei, peguei a calcinha dela, ahhhh olha só o cheiro ...olha olha" . E com a suposta calçinha no rosto cheirando, dando baforadas, ele abordava a todos da banda e equipe que vinham, dizendo: - "Olha ,olha, cheira cheira,, ahh quue cheirinho maravilhoso" .  Um por um da banda ou equipe perguntando repetidamente; "Sachê de xoxota? Sachê de xoxota?" "Ah que delícia, que delícia, ahhh, puxa que goshtoso...quer cheirar, quer cheirar, vai, vai cheira vai..." . Oferecendo a todos como um doce gostoso, soberdo e irrecusável.  Ninguém se encorajou a cheirar. Alguns foram saindo, outros até se afastaram. Em seu ápice, o baterista coloca a suposta calçinha na cabeça com o lado da virilha virado para nariz, como uma mascara\touca, cheirando e baforando a na área púbica da roupa íntima, dançando aos pulos, todo alegre e festivo e grintando coisas como: - "Ahhhh sachê de xoxotaaaa!!!", "Nada chapa mais!!!", "uhhh Loucuraaa, eu amooooo".
Enquanto isso um cara da equipe também tinha entrado aguaixado no ônibus instantes depois, pra assistir a cena e curtir um voyerismo, e no caminho, em baixo de um banco ele encontra a verdadeira calçinha da garota(fio dental vermelha). Concluindo imediatamente,  que sem dúvida o baterista tinha pego, cheirado e usado de máscara era a cueça sungão mijada do mororista. O baterista percebeu de imediato a confusão e logo desapareceu correndo para o local da festa abaixo de incessantes e descontroladas gargalhadas do pessoal da banda e equipe.
Não contente com o fatídica troca de roupas íntimas ele retorna quase na hora do ônibus sair e entra correndo no ônibus, como se nada tivesse acontecido. Enquanto só restara o guitarrista e o baixista do lado de fora do ônibus fumando um último cigarro, um de cada lado da porta do meio do ônibus que está voltada pro lado da rua. Então passa um carro cheio de fãs, todas garotas, que para bem na frente da porta do meio do ônibus aos gritos e dizem; "Olha os caras da banda, ehhhh", "Oiieeee pessoal". Então o baterista se pindura num corrimão do ônibus de tal forma que do lado de fora, pela porta, só se podia ver a cintura dele pra baixo e abaixa as calças e cuecas, se balançando ele grita - "Olha o que tenho pra vocês guriassss". Elas apontam aos risos e gargalhadas e alguma delas diz: " Mas que pitchulito hein!" , "Ah nossa, muito pequeno, eheheh"  e vão embora decepcionadas com o calibre imagina-se.
O baixista e o guitarrista também sucumbem às gargalhadas contagiantes das garotas e respondem antes de elas irem embora dizem a elas:
-"Desculpa aí garotas", não é concenso da banda viu."








quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Monte seu próprio amplificador !


Agora você pode montar até seu amplificador. Seja um mini amp até um de nível mais top.
Tem desde só o circuito integrado, transformadores e capacitores a óleo até melhores que os stantards usados em linhas de montagem. E tudo com solda ponto-a-ponto, que é muito mais forte e não solta e dá mal contatos com trepidações como a maiorias dos amps industrializados.
* AVISO IMPORTANTE: Amplificadores valvulados contém voltagens fatais e podem causar eletrocussões mesmo quando desligados da luz.

Um amp com solda ponto a ponto pode cair de cima de um palco, quebrar todas as válvulas e o circuito e amp continuaram intactos.

Mini amp, com placa de cituito "genérica" e restos de fios de peças.



Na dúvida, pode até dar uma espiada para ver como o pessoal da Fender faz.
Veja como é feito o 5e3, modelo atual de Eric Clapton.



segunda-feira, 26 de agosto de 2013

MI Blues Pro - Um Ts9 e um Fuzz juntos!

Minha mais nova aquisição. Curti demais.
Um desses já dá pra fazer misérias no rock!
Veja os vídeos e fotos e tirem suas próprias conclusões

VÍDEO LOGO ABAIXO: MI Blues Pro com um Fender Blues JR e uma Fender Strato

.
É tipo um Ibanes TS9 modificado, com o chip JRC4558D, usado nas modificações pra resuzir ruidos, vai num soquete que permite uma troca de chip sem solda. É true by pass.
Tem um grave a mais que um TS9 comum e função do chip talvés.
Tem uma chave que muda a onda "simétrica"(overdrive) para "asimétrica"(fuzz) mostra uma versão fuzz de um TS9.
Construção robusta, fios e soldas parecem bem fortes.





sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Auto Falantes - Nada muda tanto seu som!

Um bom auto falante deixa seu som mais agudo, mais grave, mais limpo(som cor-a-corda) e muito mais pesado e auto. A diferença é esmagadora e nada supera isso.
Se você tem um falante mais comum parece que você tem um papelão tapando seu falante se você estiver tocando com alguém usando um top.
Todos acham que é aquele pedal ou aquela guitarra mágica que vão dar aquela diferença no seu som.
Em shows ou estúdio, guitarras top, todo o tipo de pedal, plug ins "mágicos", compressores, mas nada chega sequer perto de um bom auto falante.
Um bom auto falante com um Celestion V30 custa em torno de R$600,00 e  mesmo os chineses, não há gibson lespaul ou firebird ou T9 Ibanes\808 que sequer chegue perto, é muita diferença e não há pedal, amplificador, ou periférico que supere.


*No vídeo é difícil perceber a difrença de volume, mas a de um V30 3 um Seventy 80 é muita, varia de 7db a 12db.

Fiz uns testes com dois Blues Jr. de um amigo, o Blues Jr. dele é americano com um Eminence Original top(aqueles feitos especiais pra fender) e Blues Jr. Mexicano(com um falante Eminence comum),  volume master apartir do 5, não há equalização nem volume não ganho que dê a gordura e nitidez do falante top, usamos uma Gibson Firebird, depois uma Lespaul Vintage 60(com captadores P-90) usei vários pedais top(Ts9, Lovepedal les luis) pra tentar compensar e não chega nem perto, nem no volume máximo o outro Fender Blues Jr. tem a mesma força e crunch que o com o Eminence Top, depois testei com um Celestion Vintage 30 numa caixa vagabunda e a mesma coisa, o vintage 30 deixa tudo muito superior, ainda testei guitarras mais vagabundas, e não tem pra ninguém, ainda um bom auto falante é mega superior.
Minha dica aos principiantes é compre um amp barato e coloque um bom falante antes de um pedal ou guitarra. Senão nem se benzendo.

Mais; vídeo da Fender University.

terça-feira, 27 de março de 2012

Joe Cocker no Brazil!

O cantor lendário Britânico de 67 anos Joe Cocker,  se spresenta pela 3a. vez no Brasil, em Porto Alegre (27/03), São Paulo (29/03), Belo Horizonte (31/03) e Rio de Janeiro (01/04).
Sua marca são seus shows e sua voz caráterísta do blues e soul, o cantor subiu pela primeira vez num palco aos 15 anos com o nome artístico de Vance arnold na banda Avengers, depois com a Big Blues(1963) e depois com a Grease band (1966). Sua primeira aparição marcante foi no Ed Sullivan Show em 1969 e depois no seu show antológico em Woodstock.
O novo disco Hard Knocks(2010) é seu 21o. disco de estúdio, considerado pelo próprio Joe Cocker um dos mais pop dentre seus últimos discos contém 10 canções.
video

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Modificações de pedais em série

Esse lance de fazer modificações em pedais(vulgo "mods") começo no fim dos anos 60 com o surgimento dos pedais de distorção, tendo entre seus usuários nomes como Jimi Hendrix, Stevie Ray Vaughan, John Fogerty e vários até os tempos de hoje.

Os Ibanes Tube Screamer são os top das mod mais famosas
A marca JHS possui as mod do Keeley e próprias para inúmeros pedais, vende pedais prontos, tem seus próprios pedais e só as peças pra você mesmo modificar. (http://www.jhspedals.com/jhspedals/Modified.html)






O Keeley que além de só vender os pedais já modificados e seus próprios pedais da marca. É o mais cultuado entre os americanos mas utiliza as mesmas peças dos demais e só é o mais caro.
(http://www.robertkeeley.com)













As do Monte Allums são as mods mais baratas mas as mesmas peças dos mais famosos, vende só as modificações pra você mesmo fazer mas indica técnico autorizado no Brasil(rossettijrmod@hotmail.com). Como base de preço um BOSS Distortion DS1 para a versão RECTIFIER TRI GAIN Mods custa R$135,00 com as peças inclusas. (http://www.monteallums.com/pedal_mods.html)
RECTIFIER TRI GAIN Mods do Monte Allums, top dos BOSS

domingo, 16 de outubro de 2011

Sessão o cool é fazer você mesmo. Strap Lock de Tampa de Garrafa Pet

Nunca achei sábio gastar horrores em coisas que podem custar uma bagatela ou que você mesmo pode e fazer, na onda do reciclar é o cool e é pensar no dia de amanhã. E, claro também tem toda aquela graça do "fui eu quem fiz" que vem desde porta-lápis de lata de leite condensado decorados com prendedores de roupas que você fez pro seu pai quando criança até aquela cerveja caseira feita em casa que está tão na onda, porque jamais um porta-lapis da Tok Stok ou uma cerveja Belga terão a mesma emoção e ainda a natureza agradeçe.
Se seu negócio é guitarras e baixos eis aqui algo que você mesmo pode fazer na velocidade de meia duzia de twitts, usando utencílios domésticos.
Strap Lock Tampa de Garrafa Pet (SLTP).
1)Cortei com serra de metal velha e quebrada e tirei as rebarbas com uma faca.
2)O Furo inicial pode ser feito com um parafuso, prego ou compasso.
Sempre achei todos os modelos de strap lock de metal uma droga porque eu produzo muito suor e sempre acabava travando o strap e o ponto aonde sai a peça acaba ficando pra baixo e algumas vezes caindo pra baixo(quebrei uma tarraxa da minha Gibson Firebird assim com um Dunlop) ou senão nos modelos que você aperta acabam emperrando e só saem sendo arrancados com um alicate, isso quando não fica uma "inhaca" de ferrugem e sujeira. Eu já tinha até meio que idealizado alguns usando fundo de garrafa de água, todos sem
3)Usei furadeira e alicate, mas pode ser com lápis ou qualquer ponta aquecida.
4)Depois corte até o furo com um alicate, tesoura ou faca, melhor cortar novamente deixando um "trilho" maior pra a passar melhor e pronto.
sucesso. Até que meu amigo Márcio Petraco apareceu com a solução, tampas de Garrafa Pet. Achei perfeito e posso garantir que nenhum strap lock funciona tão bem, super discreto, é pequeno, você pode usar várias cores, o preto fica quase invisível, nunca nenhum estragou e a correia não cai mesmo. Eu uso a mais de 7 anos e não tenho nenhuma objeção.
Você pode fazer com faca, um lápis e um isqueiro ou com a chama do fogão ou com serra de metal e furradeira.
Para instalá-lo você coloca a correia normalmente e enfia o strap lock por cima, usando o trilho ou levantando um dos lados e com um pouco de força ele entra.
É só alegria, sem melecas de ferrugem, nem guitarras caindo .Meu amigo Rafael Malenotti(à direita)parece ter aprovado.





sexta-feira, 14 de outubro de 2011

As dicas pra comprar um Amp e ou Caixa novos.

Sempre tem alguém que vem me perguntar se eu sei de um amp ou caixa ou ácido ou bagulho bom pra comprar, o resto não sei bem, mas sobre amps e caixas estou sempre fuçando.

As ambições dos compradores são quase sempre as mesmas 2: O rock clássico versus moderno e pesado.

Os Mesa são lindos, mas muito caros para a realidade de quem quer ser roqueiro.

ROCK CLÁSSICO: É Keith Richads, Jimmie Page e Pete Tousend, tem um som sempre gordo e macio.Vi uma vez por R$12mil no Dodo Audrin.com.br

Marshall JCM 800, um ótimo amp, mas é forte caro e pesado(bom pra quem faz academia) como um Jipe.
Minha dica seria é, se você quer tirar o som do Keith Richards, então compra o tipo de o amplificador e guitarra que ele usa(amp fender Vibro-king+guitarra fender telecaster), se quer tirar o som do Zack Wilde use um  Mashall JCM800 e uma Gibson Les Paul ou o mais próximo disso.
Só que sejamos realistas, pra isso você terá que vender seu carro popular pra comprar um kit desses.
Depois de ter um Marshall JCM800 e um Fender Vibro King, não acho válido gastar mais que 3 mil num amp, pois tem muita coisa barata e boa e também gastar uma pequena fortuna pra tocar um buteco fedendo a cerveja é muito burguês para um roqueiro.
Regra básica é: O melhor som de um amplificador só se obtém nos volumes mais altos(dizia leo fender), mesmo com timbres mais limpos a guitarra tem mais dinâmica e soa melhor mesmo em gravações e transmissões. Não estraga auto-falante, é lenda, o que estraga o auto-falante é você(principalmente no início da vida dele) é usa-lo somente em volumes baixos, pois ele acaba ressecando e perdendo a flexibilidade e diminuindo sim a vida útil. Gasta um pouco mais as válvulas? Um pouco a mais sim, mas nada que não justifique. Se você quer um som mais limpo use um amp que mesmo acima do volume 4 continue limpo e vice-e-versa.


Nova tendência é baixa potência: Se volume alto é tirar um bom som, é certo que seus colegas de sua banda e técnicos de som que irão reclamar do seu volume muito alto. Por isso é que a nova e sábia tendência é usar amplificadores de baixa potência, de 30Watts para baixo. "Ah mas vou tocar num palcão hoje, como faço?!" - Em palcos grandes os amps são microfonados e colocados nos retornos/monitores também grandes, se não quer guitarra no "retorno" usa um amp emprestado da sonorização só pra ajudar na monitoração.

Mais completo: Ótimo som fender com um preços bem mais em conta é o Fender Hot Rod Deville 1X12 de 30W tem reverb de mola 2 canais, "more drive" para solos, tá tudo aí se você que ter um som clássico ou mais limpo custa em torno de R$4000 (novo).
VEJA O VÍDEO ABAIXO: Orange Tiny Terror de 15WCusta R$1700(novo),
VEJA O VÍDEO ABAIXO: Fender Hot Rod Blues Jr de 15W custa em torno de R$2000(novo).

Por R$2500 o Tiny terror combo tem auto-falante ótimo(Celenstion V30.
Orange PPC112 c/ 1 falante celestion vintage 30 por R$1600 é a mehor pedida+o Tiny Terror encontrados do R$2900 no Mercado Livre.
Auto-falantes bons são crusciais para se ter "volume" em relação aos outros instrumentos, pois acrescenta definição sonora. Um cubo Marshall "econômico"ou caixa Marshall Valvestate ou de 2a. linha de 60Watts "fala" muito muito menos que um amp de 15Watts num auto-falante Celestion Vintage30. As orange são a melhor pedida custo-benefício com uma qualidade muito superior.
Um exemplo prático meu foi tocando no Beco em São Paulo que é um lugar relativamente grande usando um Orange Tiny Terror(15W) com uma caixa Orange PPC112(abaixo) no volume 7 e o pessoal pedindo pra baixar e realmente estava com um bom volume. Caixas Marshalls, Mesa e Fenders??? Venda seu carro popular e terá um bom, Barato???Nunca barato para a realidade do rock.

video
 ACIMA Uma versão  do Blues Jr é com auto-falantes feitos de canabis(não tem muita diferença, fora a doideira) que você pode comprar no site proguitarshop.com e receber no Brasil, faça as contas.
ABAIXO: Orange Tiny Terror com a caixa, tem opção de funcionar em 15W e7W.
video

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Tube Depot - O paraíso da válvulas

Tenho vários amplificadores  valvulados e toco numa banda chamada Acústicos & Valvulados a 20 anos, por isso sempre vem alguém perguntando sobre aonde comprar ou como isso ou aquilo. Está aqui minha dica definitiva, Tube Depot.com. Se você não sabe nada de ingles, por favor use qualquer tradutor de internet (google crome ou google tradutor).
O site Tube Depot.com entrega no Brasil via Correios/USPS e tem uma infinidade de válvulas novas, válvulas de estoque antigo (N.O.S.), kits de amps para montar em casa, potências valvuladas HI-FI para montar e prontas, maletas para você carregar suas válvulas(mais profi) e  todo o tipo de acessórios e peças para seu amplificador valvulado.
No Tube Depot, além de você pagar mais barato, mesmo com os impostos e custo de envio, você pode receber as válvulas "Casadas"(Machet pair) sem custo adicional na maioria dos modelos.
ATENÇÃO! Mesmo desligado da luz um
 amplificador válvulado pode causar danos a sua saúde e ser fatal, por isso as dicas aqui citadas são exclusivamente para serem feitas com o amp montado, desligado da luz, tocando somente nas válvulas frias e de preferência com um pano.

Lendas sobre medições de válvulas.
O que é isso? Resumindo, se você não tem um par casado você terá que pagar ao seu técnico de R$25 a R$80 por válvula para medi-las(a "porcentagem") e regular o BIAS do amp se ele for um amp moderno(pós 1980 +ou-). Senão numa vez que você levar seu amp para trocar as válvulas com um par casado de válvulas, você praticamente nunca mais terá que regular o BIAS, pois segundo os fabricantes Fender isso realmente não será mais necessário, NÃO SE DEIXE ENGANAR!. Será só você desligar(da luz) o amp e trocar as vávulas, o que normalmente deve ocorrer a cada 2 anos(algumas vezes antes)
.E ATENÇÃO o bias só se regula nas vávulas de "potência"(as grandes) por isso não tem a menor necessidade de saber a "porcentagem"/desgaste das outras, se não tem o que regular, use seu ouvido e espere as válvulas esfriarem antes de trocá-las. O resto é falcatrua mesmo. A regulagem de BIAS busca equilibrar o desgaste(normalmente desigual) que as válvulas sofrem e a "porcentagem" procura representar esse desgaste. Boas válvulas(RCA, GE) ficam por anos em 80%, 90% enquanto que as mais baratas já vêm novas com 40%, 60%, mas isso é só uma estimativa.
Válvulas de "Pré" e Potência.
Válvulas de potência são as que dão potência ao amp, trocando em miúdos são as válvulas grandes e tem pouca influência no som do amp, pois o amplificador válvulado é famoso por ter um distorção e agudos distintos, tem uma certa distorção pelo uso excessivo de potência? Tem e está mais relacionada aos graves, mas também não é como dizem alguns que dependendo da válvula de potência o som pode ser mais limpo ou sujo, grave ou agudo. Na prática não muda nada no som que realmente se possa perceber, o que muda mesmo é na durabilidade.

 Válvulas de "pré", são as válvulas de pré-amplificação, são como se fossem os ouvidos do amp, e são essas é que tem maior influência no som. Se o som será mais limpo(mais headroom) ou com um pouco mais de definição de agudos. O que mais importa; é a 1a. válvula(é a que tem a seta vermelha e branca)e que geralmente estão do lado oposto a das de potência é nessa posição que a válvula mais muda o som e se você quer mudar o som mais que isso troque de amp ou de auto-falante, porque também ela não vai transformar absurdamente(como dizem por aí) o som de seu  amp, é lenda. O que muda é: se a válvula é mais nova fica mais limpo o som e vice-e-versa, você pode testar trocando com as outras(se as outras são do mesmo tipo) mas lembre de desligar o amp(da luz) e esperar esfriar um pouco para não se queimar. Eu tenho uma 12ax7 velha que uso pra gravar pois tem um som mais "crunch" quase falhando/se peidando diferenciado, mas não uso em shows pra não ter o risco de estragar no meio do show.

 A dica do mestre Leo Fender é: "Somente em volumes mais altos surgem frequências que em volumes mais baixos não existem, portanto, quer tirar um bom som? Aumenta o volume". Tem muito barulho? Use então um amp de menor potência, entre 15W e 30W. A regulagem de volume e equalização do amplificador e o próprio amplificador variam muito mais que uma válvula ou outra, o resto é bobagem pra tentarem te vender essa ou aquela válvula. Portanto, se você quer mesmo um som mais limpo abaixe o volume ou o ganho que isso terá muuuuito mais efeito que um ou outro modelo "mágico" de válvula; ou ainda quer o amp com um som sujo e agudo USE amp mais tipo um Marshall JCM900 ou um Mesa Tripple Rectifier se quer um som super limpo e grave usa um Fender Twin(black face) ou Bassmann, pois nada muda muito a característica sonora de um tipo de amp. Trocar só as válvulas não faz milagre. Se você tem um marshall JCM800 e gostaria de ter um som de um fender Vibro-King o melhor mesmo, mesmo, mesmo é comprar um Fender Vibro-king, ahahahaha.
videoVisite a Tubedepot TV e descubra até como regular o BIAS e outras coisas sobre a manutenção de amps valvulados, tem vídeos como esse que ensina a montar um amp. E esse cara aí parece o dono co Garfield, simpático ele. Rsrsrssrrs
http://tubedepot.com/tubedepottv.html

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Guitarras com Contour de Graves, adiciona graves deixando agudos intactos.

É uma das melhores idéias, dos últimos tempos. O botão de Contour de graves que ACRESCENTA os graves, num captador super agudo, e ressaltando a regra básica de que instrumento agudo(guitarra é agudo) pra aparecer tem que ser agudo mesmo se você que mais grave o certo seria adicionar mais grave (em bases) deixando os agudo intactos.
Tirando o Slash eu nunca mais ouvi falar de 1 guitarrista sequer que que usou o comtrole de tonalidade(diminui os agudos) de sua guitarra,  todo o guitarrista sempre quer mais e mais é nitidez e morre de medo de perder os agudos. Por isso até que 99%  dos guitarristas não usam o botão de volume de suas guitarras, preferem usar um pedal de distorção ruim e comprometer o som(usando a maior parte do tempo) do que ter um "som limpo" um pouquinho mais abafado lá de vez enquando.
Inclusive um dos pedais mais usados pelos gringos desde os anos 60 são os Treble-booster (traduzindo=reforço de agudo)como Mostet boost, Dallas Arbriter. E isso continua amplamente sendo usado, mesmo nas mais distorcidas das mais modernas mixagens se você corta o grave e acrescenta agudos de uma guitarra num solo ela se sobressai na mix e depois de fazer a "master" ela vira uma "patada", pois os compressores de "master" resaltam ainda mais justo o que tem mais agudo. E o problema dos treble boosters que que sempre se perdia um pouco o peso e as vezes até apitando um pouco em volumes mais altos (caso do germaniun booster citado aqui).
Então porque nenhum técnico em 50 anos não pensou nisso em 50 anos??? Ter um captador bem agudo que você pode acrescentar(nas bases) e tirar o grave quando quiser seria uma boa solução e sem pedais ruins. Agora Reverend pensou e ainda por um baixo preço na Proguitarshop.com
O primeiro vídeo é para quem gosta de ser moderno e pesado.
O segundo é vintage.

video video

domingo, 9 de outubro de 2011

Novos Seriados na TV a cabo.

Zapeando na minha nova tv a cabo, saquei que ainda existem seriados novos bem legais.
Bored to Death é um que é demais. Na real ele segue bem a onda do filme se beber não case mas envolto num delicioso cotidiano urbano.
Com o personagem principal Schwartzman, também estão no seriado o ator Ted Danson, como George Christopher o excêntrico editor e usuário de todas as drogas conhecidas, principalmente maconha, e o ator Zack Galifianakis, interpretando o cartunista Ray Hueston, ator de "Se beber não case" (foi criada uma hq baseada no personagem) que vive um relacionamento sem sexo com a namorada.

Segura a Onda
que pode ser traduzido como "Segura o seu entusiasmo" é ótimo, possui a genialidade do estilo até então inédito de Woody Alley.
O ator que já interpretou num filme do próprio Woody Allen, Larry David(também de origem judaica) interpreta a si mesmo no seriado, mas repete de maneira inédita os personagens urbanos de Woody e em situações em que todos em algum momento na vida vivemos. Não tem gente bonita nem super inteligente nem resolvida com personalidades e sensos perfeitos, mas é irremediavelmente divertido e o estilo permite que cada episódio seja único e sem necessitar de uma sequência.